Licenciado em Filosofia, teve aulas de desenho e pintura com o professor e artista plástico Carlos Franco; teve formação no ArCo – Centro de Arte e Comunicação Visual, em Lisboa. Expões desde 2006 tendo ganho uma Menção Honrosa com o trabalho “UM MERGULHO EM SI MESMO” em 2014 na CREATIVE’ 14 3ª Exposição Internacional de Artes e Letras do CONINTER.

Pintura de inspiração urbana, trabalhos que procuram traduzir o lugar do homem contemporâneo: um sujeito que lê o mundo a partir da sua própria subjectividade e experiência, que se confronta com a solidão, assiste à desconcertante impermanência de todos os lugares e vivências, percebe o problema da memória e encontra nos afectos, emoções e pensamentos uma porta de saída.
Vários dos seus trabalhos aproveitam material (sugestões) da cidade - “ainda há amor”, “your brain is not a game”, “és frio”, etc. – que é produzido em inscrições, frases e desenhos sobre paredes, muros, degraus, etc.. Este núcleo de obras procura fazer a ponte entre a dinâmica da vida interior do indivíduo com a riqueza do material que lhe surge através do que tem designado como o “discurso da cidade”.
A riqueza, a força da pintura, estará sempre ligada à capacidade que a mesma tiver de gerar emoção, levantar interrogações e, finalmente, criar a existência de um sentido. Oeiras.